A costura como herança, o cuidado entre linhas e a criatividade entre os dedos. A Com amor, Dora nasceu pela simples vontade de colocar a minha costura no mundo de uma forma criativa, colorida e aconchegante.

Dora

Sem categoria

10 de janeiro de 2013

Como tentar não ser você

O maior erro capilar da minha vida
Hoje eu fiz uma das maiores burrices da minha vida por acha que seria bonita igual a ela. 
Essa semana eu me senti mal por ter o cabelo cheio de frizz, numa roda de conversa era a única com as ondas fora do lugar. Percebi, também, que não costumo sair de casa arrumadinha demais por achar que estou sempre over para as situações corriqueiras da vida aos vinte e poucos anos. Gastei a bagatela de DUZENTOS reais para fazer uma progressiva (feministas repeitem o meu desejo de ao menos uma vez na vida ter o cabelo completamente out of frizz – se é que isso existe).  Na hora achei o máximo, ai tudo liso! Mas duas, três, quatro horas depois: cadê minhas ondas?! Não quero essa merda lambida assim. Buá, abri berreiro.
Quando o assunto é brand new hair precisa-se ter muita paciência para não se arrepender das merdas que faz e ficar chorando o dinheiro gasto. O dinheiro que eu ainda nem tenho, que esse pagamento saia logo senão eu estou lascada. Meninas, o meu último dia de vinte e três anos de idade foi o dia do maior erro capilar da minha vida. Depois que sai do salão pensei que a grana poderia servir pra uma tatuagem nova ou pra festa de hoje, ou pra estarrar tudo 2.4 no fim de semana com as amigas, mas não, fiz a merda da escova – que deve ter formol.
Isso tudo por querer ser igual a elas, as meninas soteropolitanas phynas, com seus vestidos de poá, braços branquelos e magros que parecem não tomar sol e muito menos comer acarajé. Quero morrer, voltar a ter minhas ondas.  –Quanto mimimi Dora, toma jeito.
Sabe o real motivo por detrás desse drama capilar, não ter drama na real. Minha vida tá simprinha. Só estou passando por uma crise monetária fortíssima, uma das mais punks da minha breve história bancária. Enfim, estou sem amor, nem dor e muito menos. Estou sim, com tudo isso misturado e sem bater.
Mas amanhã é ano novo, minha vida nova aos vinte e quatro anos. Com cabelos lambidos da vaca, quilinhos a mais por conta dos festejos de fim de ano, unhas bem feitas, pernas cabeludas, olheiras terríveis, com muitos livros empilhados esperando serem lidos, velhos amores com a carta de despejo na mão, dores fortes saindo aos poucos, alegrias e esperança infinda, e a vontade de ser mais confiante naquilo que eu sou, não no que os outros que nem conheço não esperam. 
Ilustração: Pedro Magalhães
O que eu espero de mim:
·         Quando sonhar em fazer algo no cabelo esperar por uma semana, até o dia que você acorde e diga: é isso aí, meo.
·         Tolerar os outros, saber das diferenças de cada personalidade, ser menos intransigente.
·     Problemas com autoridade. Preciso resolver isso já. Para de seguir o mestre, quando eu um dia quero ser ele.
·         Para de comprar roupa e bolsa e sapato todo mês para ser pobre sempre.
·         Diminuir consideravelmente o nível de álcool nas baladas.
·         Sorrir mais, soltar gargalhada. Ultimamente tenho andado por Salvador feito carranca perdida.
·         Aceitar que eu gosto de ficar sozinha, na minha e parar de achar que estar só é ser só.
·         Cuidar mais do corpo que Deus me deu.
·         Projeto mais cultura. Há anos eu não sei o significado de catarse por conta das minhas não idas ao teatro, cinemas e shows.
·         Abrir o coração para liberdade.
São esses alguns defeitos meus que reconheci esses últimos anos, meses e dias. Se eu vou mudar assim, feito água para chocolate, não. Mas eu tô tentando. A lista é detalhe.


Beijos, Dora.

Tags: , , , , , , , , ,

3 respostas para “Como tentar não ser você”

  1. Dora, ao menos você aprendeu muitas coisas com esta experiência. Realmente as pessoas falam muito em ser “diferentes”, mas o que vemos são pessoas muito iguais e parecidas e tentando ser como os outros são. Ser a gente mesmo é mais difícil, mais desafiador. Não por conta dos outros, mas porque o processo de autoconhecimento é barra pesada. Mas também é cheio de flores. TEnho certeza que se conhece um pouco mais agora e se ama mais também.

    Beijos
    Pâmela Rodrigues
    Blog: Liste & Realize
    Página no Facebook

  2. iara disse:

    Se você não tivesse feito, iria ficar com essa dúvida durante muito tempo, principalmente quando os cabelos estivessem rebeldes. A gente sempre faz umas burricinhas dessas, mas serve de aprendizado. E outra coisa… você vai ver como o cabelo liso dá menos trabalho, é inacreditável. Eu os mantenho assim não por achar mais bonitos que os meus cachos, mas é que cabelo cacheado é fogo de se lidar.

  3. Dora disse:

    meninas, fico tão feliz e mais donfortada lendo os comentários de vocês! Vou no salão lavar o cabelo amanhã e ver o resultado final! ahahahah me desejem sorte!

Deixe uma resposta